Aprendizagem, Excelência Pessoal

Como perdes tempo sem saberes?

Nunca como nos dias de hoje se fala tanto em gestão do tempo e nas melhores estratégias para conseguirmos mais resultados com o mesmo tempo. Não te vou dizer que todos temos 24 horas por dia e que algumas pessoas conseguem alcançar resultados extraordinários, outros satisfatórios e outros muito abaixo das suas próprias expectativas. A questão que fica no ar é: porquê?

Gostaria de partilhar contigo 4 ladrões emocionais do tempo, que sem te aperceberes esvaziam a tua energia diária e transformam as tuas ações bem intencionadas em tarefas intermináveis. Estás pront@? Aqui vai:
1. Perdoar
Quando não perdoas ficas agarrado(a) a pensamentos negativos, que corroem o teu interior e esvaziam a tua energia. Desperdiças demasiada energia com quem não te traz valor, ou então, é uma pessoa importante e evitas dar o primeiro passo.
O simples ato de perdoar permite desligares-te emocionalmente da situação (e da pessoa) e avançares na vida.

2. Culpar os outros
Quando acreditas que a culpa não é tua, apenas estás a retirar o poder que tens para melhorar determinada situação. Independentemente do que aconteceu aprende a assumir 100% da responsabilidade e perguntares a ti próprio: o que eu poderia fazer de diferente e que contribuísse para resultados diferentes?

3. Pensamentos negativos
Quando pensamentos negativos aparecem na tua mente, tu tens o poder para decidir o que vais querer alimentar: se mais lenha para a fogueira ou colocar água na fervura. Na prática, podemos não controlar o que nos aparece na mente mas podemos modificar logo de seguida, alterando o significado dos nossos pensamentos e contribuindo para um estado mental mais positivo.

4. Falar mal dos outros
Perderes o teu tempo a falar mal dos outros não vai contribuir para alterar o comportamento da outra pessoa, apenas descarregas emocionalmente o que estás a sentir mas não resolves nenhum problema. É preferível falar com a pessoa e partilhares o que sentes, sem julgamentos ou críticas, apenas o que sentes e dares um ponto final à situação.

Espero que possas identificar qual destes ladrões emocionais do tempo está mais presente na tua vida, para conseguires melhorar e seguires em frente com uma vida mais saudável e tranquila. Se assim for, mais e melhores resultados alcançarás.

Para os que querem melhorar, clicar AQUI.

Aprendizagem, Caminhos de sucesso, Comunicação, Educação, Excelência Pessoal, Líderes, Melhores pessoas, Opinião, Relacionamentos

Pai, mãe,…porque não me compreendes?

Enquanto pais, temos muitas vezes aquela ideia de que sabemos mais do que os nossos filhos. Embora a experiência e o tempo de vida seja maior, por si só, não quer dizer que eu seja o dono da verdade. Às vezes, devo fazer um esforço para compreender aquilo que o meu filho(a) está a ver e a apresentar como justificação, caso contrário:

  • Achamos que sabemos porque razão ele(a) teve aquele comportamento e achamos como ele deve corrigir.
  • Achamos que sabemos mais sobre os temas da nossa vida diária e achamos que a nossa razão é melhor do que a deles.
  • Achamos que sabemos que atividades devem escolher e achamos que sabemos como devem fazê-lo corretamente.
  • Achamos que eles já são adultos para algumas coisas e depois tratamos os nossos filhos como crianças, achando que estamos a fazer deles adultos.

De facto, achamos que sabemos muitas coisas menos o que é mais importante – que não sabemos nada daquilo que achamos saber, principalmente, sobre os nossos filhos. Da próxima vez, parte do princípio que não sabes, calça os sapatos do teu filho(a), vê o mundo com os seus óculos e compreenderás melhor que nada sabias sobre aquilo que achavas saber.

Por fim, quando assim o fizeres vais compreender que perguntar, escutar e sentir o teu filho(a) é o primeiro passo para verdadeiramente o conheceres melhor. Com isto vais conseguir mudar e para melhor a relação com eles.

Experimenta!

Aprendizagem, Caminhos de sucesso, Educação, Excelência Pessoal, Líderes, Saúde

Um ato de generosidade pode…

A melhor forma de se sentir bem consigo próprio é praticar um generoso ato de bondade, ou seja, ajudar outra pessoa sem ter qualquer expectativa de receber algo em troca, apenas auxiliar alguém que está a precisar de ajuda.

Para quem não sabe a Oxitocina é um hormônio produzido no cérebro, mais precisamente no hipotálamo, e que tem a função de:
– Ajudar a mulher no parto do recém nascido;
– Estimular a libertação do leite materno;
– Desenvolver o apego e a empatia entre as pessoas;
– Modular a sensibilidade ao medo (principalmente ao desconhecido).

É muitas vezes apelidada como o hormônio do amor porque nos faz sentir bem, torna-nos mais amáveis, diminui a nossa ansiedade e ajuda-nos a ser mais empáticos com os outros. Esta particularidade é muito importante porque quando ajudamos alguém, independentemente de ser um conhecido ou desconhecido, estimulará a produção deste hormônio no nosso organismo, fazendo-nos sentir bem e condicionando o nosso comportamento futuro.

Quantos mais atos de generosidade tivermos maior é a probabilidade de continuarmos a tê-los no futuro e, como consequência, a sentirmos-nos muito bem. E isto é válido para quem ajuda como para quem é ajudado.

Como pai/mãe, esta é uma excelente oportunidade para ensinar o seu filho(a) a ser mais generoso com os outros, ensinando-o(a) a praticar estes atos de bondade, para que ele(a) também se sinta bem consigo próprio, ajudando(a) a ultrapassar momentos emocionais mais difíceis na sua própria vida.

Esta é a forma que a natureza tem para nos mostrar o quanto é importante praticarmos estes atos de bondade para com o nosso semelhante, reforçando a ligação empática entre o ser humano e contribuindo para diminuir os níveis de agressividade e atritos que acabamos por observar no dia a dia.

Gostou deste artigo? Deixe o seu comentário. 🙂
Quer continuar a receber estas pepitas de ouro? Clique em SEGUIR.
Gostava que lhe pudesse ajudar? Escreva-me AQUI.

Aprendizagem, Caminhos de sucesso, Empreendedorismo, Emprego, Excelência Pessoal, Finanças Pessoais, Líderes, Relacionamentos

A forma mais rápida para melhorares os teus resultados

É muito comum escutar a vontade de muitos dos meus clientes em melhorar e nem sempre sabem por onde começar, nem o que fazer ou em que áreas trabalhar. Eu até compreendo que isso possa acontecer dado estarmos tão absorvidos no nosso dia a dia, no nosso trabalho, nas nossas preocupações e anseios que facilmente nos escapa o outro lado da moeda, o nosso crescimento pessoal, familiar, social ou profissional.

Um vez escutei um profissional bastante conceituado partilhar um exercício muito simples e prático para ajudar qualquer um de nós a identificar e começar a trabalhar nas áreas que pretende obter melhores resultados.
Em primeiro lugar, deve pegar numa folha em branco e desenhar um círculo no centro, diria a ocupar 50% da folha.

Em segundo lugar gostaria que escrevesse dentro desse círculo tudo aquilo que sente já ser muito bom, que tem resultados nessa área ou temática. Por exemplo: consigo falar tranquilamente em público, facilmente me relaciono com os outros, consigo dedicar os fins de semana à minha esposa, etc.

Em terceiro lugar, vai escrever fora do círculo tudo aquilo que deseja mas que ainda não conseguiu realizar. Competências que sente ainda não desempenhar da forma como gostaria, ou resultados que ainda não consegue alcançar.

Na prática, dentro do círculo escreve o que consegue fazer e fora o que ainda não consegue fazer. No final vai reparar num aspeto muito interessante: o que escreve dentro do círculo é o que está dentro da sua zona de conforto e o que escreve fora do círculo é o que está fora da sua zona de conforto.

O quarto e último passo é hierarquizar por ordem de intervenção tudo o que escreveu fora do círculo e começar pelo primeiro item. Depois vai traçar um objetivo de melhoria, construir um plano de ação e agir no sentido de melhorar esse aspeto da sua vida. Eu sei que parece demasiado simples, mas como é bastante visual e utiliza todas as estruturas de aprendizagem do cérebro, vai ajudá-lo(a) a identificar oportunidades de melhoria que nunca tinham passado pela sua mente (consciente).

Aproveite o dia de hoje para começar a melhorar e, quando necessitar de ajuda, pergunte-me como poderei fazê-lo agora.

Aprendizagem, Educação, Excelência Pessoal, Motivação, Sonhos

Crianças comprometidas têm….

Gosto particularmente de um estudo realizado no passado recente onde uma investigadora procurou compreender porque algumas crianças progrediam rapidamente nas aulas de música enquanto outras não.

Para isso escolheram aleatoriamente 157 crianças e acompanharam-nas durante vários anos (dos 6/7 anos até ao secundário), registando os seus progressos. Ao analisar os dados obtidos às várias questões do estudo, nada batia certo, não havia uma resposta plausível à questão em estudo.

Entretanto a investigadora voltou a rever o estudo e reparou que foi perguntado às crianças por quanto tempo tencionavam tocar e agrupou as respostas em 3 categorias: compromisso de curto, médio e longo prazo. Depois ordenou as crianças pelo tempo de treino semanal: pouco (20 minutos), médio (45 minutos) e muito (90 minuto).

Ao confrontar os dados viu que o progresso era determinado por uma minúscula e poderosa ideia que a criança tinha captado antes de iniciar as aulas – o sonho de ser tornarem músicos. Crianças com um compromisso de longo prazo tinham melhores resultados mesmo que o tempo de treino fosse curto, quando comparado com crianças com muito tempo de treino e um compromisso de curto prazo.

Quando falo com os pais que têm os seus filho(a)s a praticar alguma modalidade desportiva, por mais pequenos que sejam, sabendo que nessas idades o mais importante é o prazer pela prática, sugiro que ensinem os seus filho(a)s a definirem uma meta que queiram alcançar com o seu esforço e dedicação. Mesmo sendo diversão, deve sempre existir um objetivo que ele/ela queira concretizar. Assim estaremos a trabalhar o compromisso dele(a) e a ensinar que quando nos comprometemos com algo é para levar até ao fim.

Se tiver alguma dúvida, coloque a sua questão AQUI.
Até breve!