Aprendizagem, Caminhos de sucesso, Líderes, Melhores pessoas, Motivação

Habilidade ou Sorte

Independentemente das nossas circunstâncias e condições atuais, quando algo nos acontece, o mais importante são as decisões que iremos tomar em função das “cartas” que temos nas mãos.

E o que devemos fazer para aumentarmos a probabilidade de sucesso nas nossas decisões?

Quanto mais desenvolvermos as nossas competências pessoais, melhores decisões iremos tomar e mais sorte, aparentemente, iremos ter. As consequências de cada decisão tomada podem ser vistas em dois patamares: pela negativa ou pela positiva, isto é, ou aprendo ou evoluo como pessoa.

Resumindo esta questão: as decisões são apenas decisões, a forma como interpretas o resultado de cada decisão é que vai determinar os teus resultados futuros e “rotular-te” como uma pessoa competente e com sorte!

Gostaste deste artigo? Deixa o teu comentário. 🙂
Queres continuar a receber estas pepitas de ouro? Clica em SEGUIR.
Gostavas que te pudesse ajudar? Escreve-me AQUI.

Aprendizagem, Educação, Líderes, Motivação

Exames Nacionais: uma estratégia para obteres melhores resultados

Estamos a pouco mais de um mês para o início dos exames nacionais, uma fase muito importante para os estudantes que, principalmente, pretendam entrar para a Universidade, estando dependentes de um bom resultado no teste. A definição do objetivo pretendido no Teste é uma das estratégias fundamentais para alavancar os resultados de qualquer estudante. Uma vez li que, numa Universidade Canadiana foi realizado um estudo sobre o estabelecimento de objetivos e concluiu-se que encontrar uma direção na vida e definir vários objetivos pode ajudar-nos a viver mais tempo, independentemente da idade em que descobrimos o nosso propósito. Neste artigo vou explicar-te como podes utilizar a definição de objetivos para alcançares o teu resultado desejado no Exame Nacional.

A primeira coisa que deves fazer é clarificar qual o objetivo que pretendes para o Exame. Se és avaliado de 1 a 20 valores, qual o número que desejas alcançar? Neste exercício poderás deparar-te com aqueles pensamentos do tipo,..”se eu conseguisse um 14 já era bom”, no entanto, o que pretendo é que definas e apontes numa folha qual é o objetivo que queres alcançar e não apenas o que eu acho que consigo. Se pensares bem, são duas coisas bem distintas.

A segundo passo é refletires sobre qual o resultado que desejas. Agora poderás estar a perguntar,..”Oh Nelson, mas isso já me pediste acima, não estás a falar do objetivo?”. Calma, quando te peço para refletires sobre o resultado é imaginares qual será o resultado de conseguires tirar XXX no Exame Nacional. Como imaginas esse momento e o que te irá proporcionar. Aproveitas a mesma folha onde apontaste o objetivo e descreveres o resultado que advém do teu objetivo.

O Terceiro passo é pensares no que podes fazer e esteja dependente apenas de ti, e que te ajuda a alcançar o objetivo que definiste.
O que vais ter de fazer? Quando e durante quanto tempo irás fazê-lo? Quem te irá ajudar? Onde vais querer fazê-lo? Como pretendes fazê-lo?
Na prática vais definir ao pormenor tudo aquilo que irás fazer e que acreditas que irá ajudar-te a alcançar o teu objetivo para o Exame. Pegas na folha que tens utilizado para apontar os dados acima e crias um plano de ações baseado naquilo que tu acreditas. A minha sugestão é passares esse plano para um horário semanal onde podes colocar todas as tuas tarefas em blocos e que possas visualmente identificar o que tens a fazer, em cada dia e em cada momento do dia.

O Quarto passo é iniciar cada dia visualizando o teu objetivo, lendo os resultados do teu objetivo e observando as tarefas que estão definidas para esse dia. Depois disto é começar a trabalhar.

O Quinto e último passo é falares contigo mesmo e com os outros do que vais conseguir, dos resultados que vais alcançares e do que estás a fazer para lá chegar. Independentemente do que os outros te disserem, durante este mês e meio, até ao dia do exame vais apenas e somente falar do que vais conseguir e vais ficar deslumbrado com os resultados que vais alcançar.

Gostaste deste artigo? Deixa o teu comentário. 🙂
Queres continuar a receber estas pepitas de ouro? Clica em SEGUIR.
Gostavas que te pudesse ajudar? Escreve-me AQUI.

Aprendizagem, Caminhos de sucesso, Educação, Excelência Pessoal, Líderes, Saúde

Um ato de generosidade pode…

A melhor forma de se sentir bem consigo próprio é praticar um generoso ato de bondade, ou seja, ajudar outra pessoa sem ter qualquer expectativa de receber algo em troca, apenas auxiliar alguém que está a precisar de ajuda.

Para quem não sabe a Oxitocina é um hormônio produzido no cérebro, mais precisamente no hipotálamo, e que tem a função de:
– Ajudar a mulher no parto do recém nascido;
– Estimular a libertação do leite materno;
– Desenvolver o apego e a empatia entre as pessoas;
– Modular a sensibilidade ao medo (principalmente ao desconhecido).

É muitas vezes apelidada como o hormônio do amor porque nos faz sentir bem, torna-nos mais amáveis, diminui a nossa ansiedade e ajuda-nos a ser mais empáticos com os outros. Esta particularidade é muito importante porque quando ajudamos alguém, independentemente de ser um conhecido ou desconhecido, estimulará a produção deste hormônio no nosso organismo, fazendo-nos sentir bem e condicionando o nosso comportamento futuro.

Quantos mais atos de generosidade tivermos maior é a probabilidade de continuarmos a tê-los no futuro e, como consequência, a sentirmos-nos muito bem. E isto é válido para quem ajuda como para quem é ajudado.

Como pai/mãe, esta é uma excelente oportunidade para ensinar o seu filho(a) a ser mais generoso com os outros, ensinando-o(a) a praticar estes atos de bondade, para que ele(a) também se sinta bem consigo próprio, ajudando(a) a ultrapassar momentos emocionais mais difíceis na sua própria vida.

Esta é a forma que a natureza tem para nos mostrar o quanto é importante praticarmos estes atos de bondade para com o nosso semelhante, reforçando a ligação empática entre o ser humano e contribuindo para diminuir os níveis de agressividade e atritos que acabamos por observar no dia a dia.

Gostou deste artigo? Deixe o seu comentário. 🙂
Quer continuar a receber estas pepitas de ouro? Clique em SEGUIR.
Gostava que lhe pudesse ajudar? Escreva-me AQUI.

Aprendizagem, Comunicação, Educação, Líderes, Redes Sociais, Relacionamentos, Saúde

Porque os nossos filho(a)s se sentem mais sós

Numa altura das nossas vidas em que nos vimos forçados a passar mais tempo em casa, “obrigados” a alterar rotinas e a trabalhar remotamente, fez com que as comunicações passassem a ser quase, exclusivamente, via digital. O contacto presencial foi reduzido drasticamente e todas as formas de contacto passaram para o telemóvel, vídeo chamada ou redes sociais. Com este abanão que o Covid-19 veio trazer à nossa sociedade, já se fala num mundo cada vez mais digital, onde trabalhar a partir de casa será uma realidade mais abrangente, Telescola mais presente e um exacerbar das comunicações nas redes sociais. Mas será que todas estas alterações serão benéficas para o ser humano enquanto ser social? Conseguiremos comunicar eficazmente? Conseguiremos criar uma ligação com o outro? E os nossos filho(a)s, irão viver cada vez mais num mundo virtual da Internet e das redes sociais?

Costumo dizer que as redes sociais estão concebidas para manter o utilizador online 24h sobre 24h. Ele não olha a idades, género ou raça, apenas tem como fim último o lucro, ou seja, ter o maior número de pessoas online a consumir as informações disponíveis. Para isso, uma rede social está construída para “mexer” com as necessidades básicas do ser humano, por exemplo: muitos “amigos” leva a suprir a necessidade de pertença a um grupo, muitos comentários ou likes dá-me reconhecimento, deslizar pelo feed sem fim suprime a minha necessidade de variedade e surpresas, e sempre que entro na minha conta, sei que vou encontrar muitas novidades sobre os meus “amigos”. Se isto é válido para os adultos, imaginem para um jovem ou adolescente ainda em fase de desenvolvimento cognitivo e emocional.

Apesar de estarmos rodeados dos aparelhos e tecnologias mais atuais, parece que cada vez mais nos sentimos mais sós e, para mim, faz todo o sentido porque toda a evolução do ser humano enquanto homem/mulher e na construção das sociedades que temos hoje, fez uso de uma competência/valor muito importante que é a Confiança. Tu podes criar esta ligação de confiança online? Podes mas aumenta a probabilidade de seres enganado.

Abordo a confiança porque é a base para as relações interpessoais e somente estando cara a cara é que conseguimos olhar para a outra pessoa e ler a congruência das suas palavras no seu corpo, falar com o outro e sentir que sou escutado, cumprimentar o outro e sentir que sou bem recebido, observar no outro as mudanças de estado emocional à medida que abordamos diferentes assuntos, saber que temos mais em comum do que aquilo que nos separa, enfim, podia continuar com mais exemplos.

Para mim estas são algumas das razões pelas quais os nossos filhos (e falo no geral) se sentem mais sós, apesar de toda a tecnologia ao seu dispor. Como pais é urgente termos em atenção dois pontos:
1. Desde pequenos proporcionar experiências em conjunto onde podemos dar a ele(a)s um espaço para aprender a desenvolver a sua confiança e na que terá nos outros. Isso começa em casa.

2. Há medida que os nossos filho(a)s vão crescendo, equilibrar o tempo online vs offline.

Quando estiverem offline, naquele momento em que está com o seu filho(a), aproveite para:
1. Contar histórias do seu passado e que lhe ensinem o mesmo que lhe ensinou a si;
2. Estabeleça contacto físico, brinque e divirta-se com ele(a);
3. Olhe nos seus olhos enquanto fala;
4. Escute mais o seu filho(a) a falar das coisas que adora;
5. Partilhe as suas vulnerabilidades e como conseguiu ultrapassar;
6. Elogie os seus comportamentos publicamente;
7. Compreenda (mas não aceite) os seus erros, procurando orientar para uma solução.
8. Peça a opinião dele(a) nas suas dúvidas e faça-o sentir importante;
9. Permita que ele(a) escolha a próxima atividade em família no fim de semana;
10. Mostre as suas emoções, alegria, tristeza, aborrecimento, receio, etc. E mostre como vai superar.

Quero que este artigo seja um alerta para o futuro que está ai à nossa porta.
A tecnologia é fantástica mas não substitui o contacto físico de estarmos juntos.
E para que o offline seja uma experiência maravilhosa, comece a praticar com o seu filho(a) como gostaria que ele(a) pudesse fazer no futuro com os seus amigo(a)s.
Ao valorizar esta forma de estar, estará a dar um “novo” sentido à tecnologia e uma “nova forma de estar” nas redes sociais.

Gostou deste artigo? Deixe o seu comentário. 🙂
Quer continuar a receber estas pepitas de ouro? Clique em SEGUIR.
Gostava que lhe pudesse ajudar? Escreva-me AQUI.

Aprendizagem, Caminhos de sucesso, Educação, Líderes, Melhores pessoas, Motivação, Relacionamentos

Um dos maiores erros que os Pais cometem

Não sei se a ti já te aconteceu mas a mim já: pedires algo ao teu filho(a) para fazer e parecer que ele(a) não escutou e lá vais tu voltar a repetir o pedido. Por exemplo: chamar para vir almoçar, levantar a horas para sairmos de casa cedo ou arrumar o quarto como fazemos todos os sábados. Para muitos pais que acompanho isto é uma dor de cabeça, estar sempre a repetir-se para que seja feita a tarefa pedida.

Gostaria de te dizer que não é por repetição que o nosso filho(a) vai fazer a tarefa pedida. Se ele(a) escutou o que foi pedido à primeira, é mais do que suficiente para ele(a) saber o que tem de fazer. Como, muito provavelmente, não é do seu agrado (ou não quer parar o que está a fazer) ele(a) vai protelar essa ação até que: você desista ou insista de forma ligeiramente diferente.

Se nós desistirmos vamos condicionar o comportamento do nosso filho(a) a manter este padrão, onde o desgaste do pai ou da mãe será muito maior porque para tarefas que não sejam do interesse do nosso filho(a) vai estar constantemente a pedir para fazer, talvez a elevar o tom de voz e, em algumas situações, a discutirem e ficarem chateados um com o outro.

Se optar por mudar ligeiramente a vossa postura a minha sugestão é a seguinte: se têm de sair às 8h30 de casa para poder deixá-lo(a) na escola, mas ele(a) gosta de ficar mais tempo na cama e você acaba por se atrasar nos seus compromissos, peço apenas que defina a hora de saída, comunique ao seu filho(a) e no dia seguinte você sai de casa à hora combinada, com ou sem ele. Só nessa altura é que ele(a) vai perceber que você está a falar a sério.

Para cada decisão há uma consequência.

Sem discussão, sem gritos e sem desgaste, você apenas cumpre com o que pediu.
Isto é válido para a maior parte das situações do nosso dia a dia, no entanto, há algumas diferenças de acordo com a idade dele(a). Por exemplo: se o seu filho tiver 7 anos, esta não seria a melhor estratégia. Podia usar outra que seria, por exemplo, estruturar o dia dele(a) com blocos para atividades e, se numa dessas nos atrasássemos, significaria que uma das atividades favoritas dele(a) que iria acontecer mais tarde, teria de ser encurtada.

“Filho(a), como nos atrasamos no início da manhã, temos de recorrer ao tempo da atividade seguinte para recuperá-lo.”
Garanto-te que ele(a) vai perceber rapidamente que tu não estás a brincar. 🙂

Experimenta.
Coloca em prática.
Se não te sentires confortável, ou sem saber o que fazer, escreve-me e pergunta que eu ajudo-te.

Se gostaste deste artigo, clica em SEGUIR e continua a receber estes fantásticos artigos!