Aprendizagem, Caminhos de sucesso, Líderes, Melhores pessoas, Motivação

Habilidade ou Sorte

Independentemente das nossas circunstâncias e condições atuais, quando algo nos acontece, o mais importante são as decisões que iremos tomar em função das “cartas” que temos nas mãos.

E o que devemos fazer para aumentarmos a probabilidade de sucesso nas nossas decisões?

Quanto mais desenvolvermos as nossas competências pessoais, melhores decisões iremos tomar e mais sorte, aparentemente, iremos ter. As consequências de cada decisão tomada podem ser vistas em dois patamares: pela negativa ou pela positiva, isto é, ou aprendo ou evoluo como pessoa.

Resumindo esta questão: as decisões são apenas decisões, a forma como interpretas o resultado de cada decisão é que vai determinar os teus resultados futuros e “rotular-te” como uma pessoa competente e com sorte!

Gostaste deste artigo? Deixa o teu comentário. 🙂
Queres continuar a receber estas pepitas de ouro? Clica em SEGUIR.
Gostavas que te pudesse ajudar? Escreve-me AQUI.

Aprendizagem, Educação, Líderes, Motivação

Exames Nacionais: uma estratégia para obteres melhores resultados

Estamos a pouco mais de um mês para o início dos exames nacionais, uma fase muito importante para os estudantes que, principalmente, pretendam entrar para a Universidade, estando dependentes de um bom resultado no teste. A definição do objetivo pretendido no Teste é uma das estratégias fundamentais para alavancar os resultados de qualquer estudante. Uma vez li que, numa Universidade Canadiana foi realizado um estudo sobre o estabelecimento de objetivos e concluiu-se que encontrar uma direção na vida e definir vários objetivos pode ajudar-nos a viver mais tempo, independentemente da idade em que descobrimos o nosso propósito. Neste artigo vou explicar-te como podes utilizar a definição de objetivos para alcançares o teu resultado desejado no Exame Nacional.

A primeira coisa que deves fazer é clarificar qual o objetivo que pretendes para o Exame. Se és avaliado de 1 a 20 valores, qual o número que desejas alcançar? Neste exercício poderás deparar-te com aqueles pensamentos do tipo,..”se eu conseguisse um 14 já era bom”, no entanto, o que pretendo é que definas e apontes numa folha qual é o objetivo que queres alcançar e não apenas o que eu acho que consigo. Se pensares bem, são duas coisas bem distintas.

A segundo passo é refletires sobre qual o resultado que desejas. Agora poderás estar a perguntar,..”Oh Nelson, mas isso já me pediste acima, não estás a falar do objetivo?”. Calma, quando te peço para refletires sobre o resultado é imaginares qual será o resultado de conseguires tirar XXX no Exame Nacional. Como imaginas esse momento e o que te irá proporcionar. Aproveitas a mesma folha onde apontaste o objetivo e descreveres o resultado que advém do teu objetivo.

O Terceiro passo é pensares no que podes fazer e esteja dependente apenas de ti, e que te ajuda a alcançar o objetivo que definiste.
O que vais ter de fazer? Quando e durante quanto tempo irás fazê-lo? Quem te irá ajudar? Onde vais querer fazê-lo? Como pretendes fazê-lo?
Na prática vais definir ao pormenor tudo aquilo que irás fazer e que acreditas que irá ajudar-te a alcançar o teu objetivo para o Exame. Pegas na folha que tens utilizado para apontar os dados acima e crias um plano de ações baseado naquilo que tu acreditas. A minha sugestão é passares esse plano para um horário semanal onde podes colocar todas as tuas tarefas em blocos e que possas visualmente identificar o que tens a fazer, em cada dia e em cada momento do dia.

O Quarto passo é iniciar cada dia visualizando o teu objetivo, lendo os resultados do teu objetivo e observando as tarefas que estão definidas para esse dia. Depois disto é começar a trabalhar.

O Quinto e último passo é falares contigo mesmo e com os outros do que vais conseguir, dos resultados que vais alcançares e do que estás a fazer para lá chegar. Independentemente do que os outros te disserem, durante este mês e meio, até ao dia do exame vais apenas e somente falar do que vais conseguir e vais ficar deslumbrado com os resultados que vais alcançar.

Gostaste deste artigo? Deixa o teu comentário. 🙂
Queres continuar a receber estas pepitas de ouro? Clica em SEGUIR.
Gostavas que te pudesse ajudar? Escreve-me AQUI.

Aprendizagem, Caminhos de sucesso, Educação, Líderes, Melhores pessoas, Motivação, Relacionamentos

Um dos maiores erros que os Pais cometem

Não sei se a ti já te aconteceu mas a mim já: pedires algo ao teu filho(a) para fazer e parecer que ele(a) não escutou e lá vais tu voltar a repetir o pedido. Por exemplo: chamar para vir almoçar, levantar a horas para sairmos de casa cedo ou arrumar o quarto como fazemos todos os sábados. Para muitos pais que acompanho isto é uma dor de cabeça, estar sempre a repetir-se para que seja feita a tarefa pedida.

Gostaria de te dizer que não é por repetição que o nosso filho(a) vai fazer a tarefa pedida. Se ele(a) escutou o que foi pedido à primeira, é mais do que suficiente para ele(a) saber o que tem de fazer. Como, muito provavelmente, não é do seu agrado (ou não quer parar o que está a fazer) ele(a) vai protelar essa ação até que: você desista ou insista de forma ligeiramente diferente.

Se nós desistirmos vamos condicionar o comportamento do nosso filho(a) a manter este padrão, onde o desgaste do pai ou da mãe será muito maior porque para tarefas que não sejam do interesse do nosso filho(a) vai estar constantemente a pedir para fazer, talvez a elevar o tom de voz e, em algumas situações, a discutirem e ficarem chateados um com o outro.

Se optar por mudar ligeiramente a vossa postura a minha sugestão é a seguinte: se têm de sair às 8h30 de casa para poder deixá-lo(a) na escola, mas ele(a) gosta de ficar mais tempo na cama e você acaba por se atrasar nos seus compromissos, peço apenas que defina a hora de saída, comunique ao seu filho(a) e no dia seguinte você sai de casa à hora combinada, com ou sem ele. Só nessa altura é que ele(a) vai perceber que você está a falar a sério.

Para cada decisão há uma consequência.

Sem discussão, sem gritos e sem desgaste, você apenas cumpre com o que pediu.
Isto é válido para a maior parte das situações do nosso dia a dia, no entanto, há algumas diferenças de acordo com a idade dele(a). Por exemplo: se o seu filho tiver 7 anos, esta não seria a melhor estratégia. Podia usar outra que seria, por exemplo, estruturar o dia dele(a) com blocos para atividades e, se numa dessas nos atrasássemos, significaria que uma das atividades favoritas dele(a) que iria acontecer mais tarde, teria de ser encurtada.

“Filho(a), como nos atrasamos no início da manhã, temos de recorrer ao tempo da atividade seguinte para recuperá-lo.”
Garanto-te que ele(a) vai perceber rapidamente que tu não estás a brincar. 🙂

Experimenta.
Coloca em prática.
Se não te sentires confortável, ou sem saber o que fazer, escreve-me e pergunta que eu ajudo-te.

Se gostaste deste artigo, clica em SEGUIR e continua a receber estes fantásticos artigos!

Aprendizagem, Caminhos de sucesso, Comunicação, Educação, Empreendedorismo, Emprego, Imaginação, Líderes, Melhores pessoas, Motivação, Relacionamentos, Sonhos, Talento

O verdadeiro segredo para o seu filho(a) triunfar

Um dia, um jovem Thomas Edison regressou da escola com um envelope que continha uma carta escrita pelo seu professor para entregar à sua mãe. Assim que chegou a casa e encontrou a sua mãe, o jovem Thomas Edison disse:
– “O meu professor deu-me este envelope para entregar apenas a ti.”
A mãe pegou no envelope, retirou a carta e começou a ler o seu conteúdo. De repente os olhos da mãe começaram a encher-se de lágrimas enquanto lia a carta.
O jovem Edison ao ver a mãe naquele estado pergunta-lhe:
– “O que diz a carta mãe?”
A mãe limpou as lágrimas e olhou orgulhosamente para o seu filho e disse:
– “O seu filho é um génio e esta escola é demasiado pequena para ele, não tem professores suficientes para ensiná-lo adequadamente. Por favor, ensine-o você.”

Como sabe, Thomas Edison veio a tornar-se num dos maiores inventores e com o registo de mais de 2000 mil patentes.

Passados alguns anos, já após o falecimento da sua mãe, ele estava a arrumar um antigo armário de família, quando deu de caras com a carta que o seu antigo professor lhe tinha dado para entregar à sua mãe. Ele abriu o envelope e começou a ler a carta. Dizia:
– “O seu filho é mentalmente doente, nós não podemos permitir que ele participe nas nossas aulas, ele está expulso.”
Edison ficou um pouco emocionado ao ler a carta e, mais tarde nessa noite, escreveu no seu diário:
– Thomas Edison foi uma criança mentalmente doente cuja mãe o tornou um génio.”

Neste dia da família, é importante reforçar a importância que os pais têm na vida dos seus filhos, o poder que o amor destes tem sobre eles é inimaginável. Acreditar que o seu filho(a) pode e vai conseguir muito mais na vida, do que ele/ela próprio acredita, é a verdadeira prova de Amor que os pais podem dar aos seus filho(a)s.

Lembre-se: acreditar que se é muda a forma como agimos.

Aprendizagem, Caminhos de sucesso, Empreendedorismo, Emprego, Líderes, Motivação, Opinião

Tomas decisões para perder ou para ganhar?

Imagine que temos 2 equipas de futebol Americano, que estão na fase final do jogo e estão separadas por 1 ponto. A que está em desvantagem tem a possibilidade de tomar uma decisão: empatar o jogo ou tentar uma jogada mais elaborada e arriscada para ganhar o jogo. Decidiram pelo seguro e empataram o jogo. No tempo extra esta mesma equipa que podia ter tentado ganhar o jogo, acaba por perder na mesma.

O interessante desta história verídica, é que na NFL (Liga de futebol Americana), nos últimos 10 anos aconteceram 47 situações semelhantes à que descrevi acima. Em 42 dessas situações, a equipa que tomou a decisão mais conservadora, ou seja, não perder o jogo, apenas 40% dessas equipas conseguiu ganhar no tempo extra. Isto quer dizer que menos de metade das vezes a equipa que joga pelo seguro conseguiu obter um ganho com essa tomada de decisão mais conservadora.

Quando olho para estes dados estatísticos, com a distância que eles nos merecem, chego a uma conclusão: tomar uma decisão para não perder pode sair mais caro do que arriscar em ganhar. Por um lado, as pessoas são mais motivadas pelo medo de fracassar do que pelo desejo de sucesso. Por outro lado, as pessoas são capazes de perspetivar o curto prazo/imediato e não tanto a perspetiva a longo prazo/global.

Você que está a ler poderá estar-se a perguntar: então como saberei que decisão tomar, tendo em conta a circunstância em que me encontro? Provavelmente, nem sempre poderá fazer sentido arriscar para ganhar, seja num jogo, num negócio ou num relacionamento. Para isso deixo-lhe mais uma pepita de ouro para ajudá-lo(a) nessa reflexão.

Nunca arrisque aquilo que tem para conseguir algo que não precisa.

Tão simples quanto o que escrevi.
Se gostou do artigo, clique em seguir e continue a receber artigos fantásticos como este.
Até breve! 🙂