Aprendizagem, Caminhos de sucesso, Educação, Excelência Pessoal, Líderes, Saúde

Um ato de generosidade pode…

A melhor forma de se sentir bem consigo próprio é praticar um generoso ato de bondade, ou seja, ajudar outra pessoa sem ter qualquer expectativa de receber algo em troca, apenas auxiliar alguém que está a precisar de ajuda.

Para quem não sabe a Oxitocina é um hormônio produzido no cérebro, mais precisamente no hipotálamo, e que tem a função de:
– Ajudar a mulher no parto do recém nascido;
– Estimular a libertação do leite materno;
– Desenvolver o apego e a empatia entre as pessoas;
– Modular a sensibilidade ao medo (principalmente ao desconhecido).

É muitas vezes apelidada como o hormônio do amor porque nos faz sentir bem, torna-nos mais amáveis, diminui a nossa ansiedade e ajuda-nos a ser mais empáticos com os outros. Esta particularidade é muito importante porque quando ajudamos alguém, independentemente de ser um conhecido ou desconhecido, estimulará a produção deste hormônio no nosso organismo, fazendo-nos sentir bem e condicionando o nosso comportamento futuro.

Quantos mais atos de generosidade tivermos maior é a probabilidade de continuarmos a tê-los no futuro e, como consequência, a sentirmos-nos muito bem. E isto é válido para quem ajuda como para quem é ajudado.

Como pai/mãe, esta é uma excelente oportunidade para ensinar o seu filho(a) a ser mais generoso com os outros, ensinando-o(a) a praticar estes atos de bondade, para que ele(a) também se sinta bem consigo próprio, ajudando(a) a ultrapassar momentos emocionais mais difíceis na sua própria vida.

Esta é a forma que a natureza tem para nos mostrar o quanto é importante praticarmos estes atos de bondade para com o nosso semelhante, reforçando a ligação empática entre o ser humano e contribuindo para diminuir os níveis de agressividade e atritos que acabamos por observar no dia a dia.

Gostou deste artigo? Deixe o seu comentário. 🙂
Quer continuar a receber estas pepitas de ouro? Clique em SEGUIR.
Gostava que lhe pudesse ajudar? Escreva-me AQUI.

Aprendizagem, Comunicação, Educação, Líderes, Redes Sociais, Relacionamentos, Saúde

Porque os nossos filho(a)s se sentem mais sós

Numa altura das nossas vidas em que nos vimos forçados a passar mais tempo em casa, “obrigados” a alterar rotinas e a trabalhar remotamente, fez com que as comunicações passassem a ser quase, exclusivamente, via digital. O contacto presencial foi reduzido drasticamente e todas as formas de contacto passaram para o telemóvel, vídeo chamada ou redes sociais. Com este abanão que o Covid-19 veio trazer à nossa sociedade, já se fala num mundo cada vez mais digital, onde trabalhar a partir de casa será uma realidade mais abrangente, Telescola mais presente e um exacerbar das comunicações nas redes sociais. Mas será que todas estas alterações serão benéficas para o ser humano enquanto ser social? Conseguiremos comunicar eficazmente? Conseguiremos criar uma ligação com o outro? E os nossos filho(a)s, irão viver cada vez mais num mundo virtual da Internet e das redes sociais?

Costumo dizer que as redes sociais estão concebidas para manter o utilizador online 24h sobre 24h. Ele não olha a idades, género ou raça, apenas tem como fim último o lucro, ou seja, ter o maior número de pessoas online a consumir as informações disponíveis. Para isso, uma rede social está construída para “mexer” com as necessidades básicas do ser humano, por exemplo: muitos “amigos” leva a suprir a necessidade de pertença a um grupo, muitos comentários ou likes dá-me reconhecimento, deslizar pelo feed sem fim suprime a minha necessidade de variedade e surpresas, e sempre que entro na minha conta, sei que vou encontrar muitas novidades sobre os meus “amigos”. Se isto é válido para os adultos, imaginem para um jovem ou adolescente ainda em fase de desenvolvimento cognitivo e emocional.

Apesar de estarmos rodeados dos aparelhos e tecnologias mais atuais, parece que cada vez mais nos sentimos mais sós e, para mim, faz todo o sentido porque toda a evolução do ser humano enquanto homem/mulher e na construção das sociedades que temos hoje, fez uso de uma competência/valor muito importante que é a Confiança. Tu podes criar esta ligação de confiança online? Podes mas aumenta a probabilidade de seres enganado.

Abordo a confiança porque é a base para as relações interpessoais e somente estando cara a cara é que conseguimos olhar para a outra pessoa e ler a congruência das suas palavras no seu corpo, falar com o outro e sentir que sou escutado, cumprimentar o outro e sentir que sou bem recebido, observar no outro as mudanças de estado emocional à medida que abordamos diferentes assuntos, saber que temos mais em comum do que aquilo que nos separa, enfim, podia continuar com mais exemplos.

Para mim estas são algumas das razões pelas quais os nossos filhos (e falo no geral) se sentem mais sós, apesar de toda a tecnologia ao seu dispor. Como pais é urgente termos em atenção dois pontos:
1. Desde pequenos proporcionar experiências em conjunto onde podemos dar a ele(a)s um espaço para aprender a desenvolver a sua confiança e na que terá nos outros. Isso começa em casa.

2. Há medida que os nossos filho(a)s vão crescendo, equilibrar o tempo online vs offline.

Quando estiverem offline, naquele momento em que está com o seu filho(a), aproveite para:
1. Contar histórias do seu passado e que lhe ensinem o mesmo que lhe ensinou a si;
2. Estabeleça contacto físico, brinque e divirta-se com ele(a);
3. Olhe nos seus olhos enquanto fala;
4. Escute mais o seu filho(a) a falar das coisas que adora;
5. Partilhe as suas vulnerabilidades e como conseguiu ultrapassar;
6. Elogie os seus comportamentos publicamente;
7. Compreenda (mas não aceite) os seus erros, procurando orientar para uma solução.
8. Peça a opinião dele(a) nas suas dúvidas e faça-o sentir importante;
9. Permita que ele(a) escolha a próxima atividade em família no fim de semana;
10. Mostre as suas emoções, alegria, tristeza, aborrecimento, receio, etc. E mostre como vai superar.

Quero que este artigo seja um alerta para o futuro que está ai à nossa porta.
A tecnologia é fantástica mas não substitui o contacto físico de estarmos juntos.
E para que o offline seja uma experiência maravilhosa, comece a praticar com o seu filho(a) como gostaria que ele(a) pudesse fazer no futuro com os seus amigo(a)s.
Ao valorizar esta forma de estar, estará a dar um “novo” sentido à tecnologia e uma “nova forma de estar” nas redes sociais.

Gostou deste artigo? Deixe o seu comentário. 🙂
Quer continuar a receber estas pepitas de ouro? Clique em SEGUIR.
Gostava que lhe pudesse ajudar? Escreva-me AQUI.

Alimentação, Aprendizagem, Educação, Saúde

Como colocar em risco a vida do seu filho(a)?

Estamos em pleno Verão e os dias têm estado quentes e apetecíveis para se estar numa esplanada a refrescar com uma água ou gelado. Num destes dias estava sentado junto à praia quando fico perplexo com o que assisti ao pé de mim, vindo de um casal. Estava o pai, a mãe e a filha, que não teria mais do que 5/6 anos e aquilo que a mãe fazia deixou-me bastante preocupado. Continue reading “Como colocar em risco a vida do seu filho(a)?”

Aprendizagem, Caminhos de sucesso, Saúde

10 coisas a fazer antes das 10 horas

“Na maior parte das vezes o inimigo não está lá fora. A primeira barreira entre nós e a felicidade somos nós próprios e a falta de equilíbrio para que nos deixamos arrastar, mais que por pressões externas, por incúria nossa”. E começa assim o artigo de João Galvão que partilho convosco.  Continue reading “10 coisas a fazer antes das 10 horas”

Aprendizagem, Caminhos de sucesso, Saúde

7 dicas para dormir melhor

Para que possa obter excelentes resultados na sua vida pessoal ou profissional, é importante dar atenção ao seu tempo de descanso. Repare, a mente também precisa descansar, bem como o seu corpo. Partilho então 7 dicas que li no Jornal Digital – Boas Notícias e que, com toda a certeza, irão melhorar as suas noites de descanso.

DescansarExcelente dia!
—-» www.atitudesparavencer.com