Aprendizagem, Educação

Um dos melhores presentes que podes dar ao teu filho

Não há nada que faça uma pessoa chegar mais longe do que sentir-se capaz de conseguir aquilo a que se propõe concretizar. Como dizia Roosevelt: “Acredite que consegue e terá percorrido metade do caminho”.

Uma das histórias que ilustra muito bem a importância que os Pais têm na construção da confiança dos seus filhos é a seguinte:
– Era uma vez uma mãe que tinha dois filhos, de 5 e 7 anos de idade. Um dia a mãe decide sair de casa e deixar de forma irresponsável os seus dois filhos no quarto a brincar sozinhas. Sem se aperceberem um incêndio inicia-se na casa e os irmãos não dão por nada até sentirem o fumo das chamas a passar por debaixo da porta do seu quarto. Sem terem muito tempo para pensar, os irmão decidem ir à janela do quarto, abrem-na e com muito esforço conseguem desengatar a escada de emergência que estava do lado de fora do quarto, descendo em passo largo até à rua de sua casa. Estupefactos, vizinhos e curiosos comentavam tal proeza das crianças e decidem perguntar ao chefe de bombeiros, que por esta altura já se encontrava a comandar os seus homens para apagar o fogo, e questionar como tal foi possível. O Chefe de bombeiros sem qualquer dúvida afirmou: “Conseguiram descer porque não havia nenhum adulto ao pé que lhes dissesse que eles não iam ser capazes de fazê-lo sozinhas”.

Sabes que a confiança que os teus filhos têm depende diretamente da confiança que depositas neles. Se acreditas que o teu filho(a) é capaz, ages em consonância com essa tua crença e não “controlas” todos os seus passos.

Para ajudares a desenvolver a confiança do teu filho(a) partilho contigo uma sugestão muito prática e simples. Quando o teu filho se depara com um obstáculo ou desafio pela frente, ao invés de lhe dizeres como deve fazer, pergunta-lhe como ele acredita que pode fazer. Deixa-me dar um exemplo. Vamos aproveitar o momento atual de início de ano letivo. Se pretendes que o teu filho melhore os seus resultados escolares pergunta:
1. Qual é o objetivo que pretendes alcançar este ano letivo? Que média pretendes alcançar?
2. O que podes fazer e que depende só de ti, que te irá ajudar a alcançar esse objetivo?
3. Quando estás disposto a começar essas ações?
4. No final do primeiro período analisamos em conjunto o que correu menos bem e o que correu bem, colocando do lado dele(a) a reflexão sobre os seus próprios desempenhos.

Quando parte da crença do teu filho a resolução dos seus próprios problemas, há uma maior satisfação interior e sensação de crescimento pelo facto de ser ele(a) a definir as suas próprias estratégias e a passar pela experiência de as ultrapassar.

Experimenta!
Reconhece o esforço do teu filho(a)!
Vibra com ele nas suas vitórias e apoia-o nos seus fracassos!

Caminhos de sucesso, Educação, Sonhos

Que tipo de filho deseja ter?

Imagine o seu futuro daqui a 5, 10, 15 ou 20 anos? Que tipo de filho deseja ter? Com que postura no trabalho deseja que ele venha a ter? Que opinião deverá ter sobre si mesmo? E como serão as relações com os seus amigos? E como será a relação com ele mesmo?

No nosso curso – Super Pais, há um módulo em que gosto de trabalhar com os Pais e que permite desenhar a sua Visão (casal, sempre que possível) a médio e longo prazo, descrevendo quais seriam os resultados de uma vida em família, passados todos esses anos.

Curioso ou não, é uma daquelas atividades em que os Pais, na sua esmagadora maioria, nunca refletiram sobre isso, muito menos conversar com a sua cara-metade para saber o que cada um pensa sobre o futuro em conjunto, e do que pretendem dos filhos que venham a ter.

Um autor de referência na área empresarial, de seu nome Stephen Covey, tem um excelente ponto de vista – se quiser algo, dê início ao processo sempre com a meta final em vista.

Numa vida em casal, programar a vinda de um filho é sempre um momento muito especial e único na vida de qualquer pessoa, por vezes, antes mesmo de ele nascer, já se compram as roupinhas, remodela-se o quarto e personaliza-se com as cores que vão dar cor à vida do nosso filho. Mas depois esquecemos de pensar no futuro dos nossos filhos e do que desejamos para eles, pelo menos, numa conversa aberta do casal, com ideias bem definidas do que cada um acha e do que pretendem que seja o guia do casal ao longo da vida.

Por outras palavras, dedique algum tempo com a sua cara-metade e pense no seguinte:

– Se quiser ter filhos meigos, ensine-os a ser assim desde pequenos;

– Se quiser ter filhos que venham a tornar-se adultos responsáveis, transmita essa responsabilidade desde pequenos;

– Se quiser ter filhos que gostem de passar tempo consigo, comece já a pôr umas horas de lado para passar tempo com eles, evitando perder-se na correria do seu dia a dia;

Enfim, eu poderia continuar com as sugestões, mas estou certo de que já compreendeu a importância do tema e como pode coloca-lo em prática. Mesmo que os seus filhos já estiverem mais crescidos, insista e dê o melhor de si para ter os filhos que tanto deseja na sua família.

Aprendizagem, Caminhos de sucesso, Educação, Líderes, Melhores pessoas, Motivação, Relacionamentos

Um dos maiores erros que os Pais cometem

Não sei se a ti já te aconteceu mas a mim já: pedires algo ao teu filho(a) para fazer e parecer que ele(a) não escutou e lá vais tu voltar a repetir o pedido. Por exemplo: chamar para vir almoçar, levantar a horas para sairmos de casa cedo ou arrumar o quarto como fazemos todos os sábados. Para muitos pais que acompanho isto é uma dor de cabeça, estar sempre a repetir-se para que seja feita a tarefa pedida.

Gostaria de te dizer que não é por repetição que o nosso filho(a) vai fazer a tarefa pedida. Se ele(a) escutou o que foi pedido à primeira, é mais do que suficiente para ele(a) saber o que tem de fazer. Como, muito provavelmente, não é do seu agrado (ou não quer parar o que está a fazer) ele(a) vai protelar essa ação até que: você desista ou insista de forma ligeiramente diferente.

Se nós desistirmos vamos condicionar o comportamento do nosso filho(a) a manter este padrão, onde o desgaste do pai ou da mãe será muito maior porque para tarefas que não sejam do interesse do nosso filho(a) vai estar constantemente a pedir para fazer, talvez a elevar o tom de voz e, em algumas situações, a discutirem e ficarem chateados um com o outro.

Se optar por mudar ligeiramente a vossa postura a minha sugestão é a seguinte: se têm de sair às 8h30 de casa para poder deixá-lo(a) na escola, mas ele(a) gosta de ficar mais tempo na cama e você acaba por se atrasar nos seus compromissos, peço apenas que defina a hora de saída, comunique ao seu filho(a) e no dia seguinte você sai de casa à hora combinada, com ou sem ele. Só nessa altura é que ele(a) vai perceber que você está a falar a sério.

Para cada decisão há uma consequência.

Sem discussão, sem gritos e sem desgaste, você apenas cumpre com o que pediu.
Isto é válido para a maior parte das situações do nosso dia a dia, no entanto, há algumas diferenças de acordo com a idade dele(a). Por exemplo: se o seu filho tiver 7 anos, esta não seria a melhor estratégia. Podia usar outra que seria, por exemplo, estruturar o dia dele(a) com blocos para atividades e, se numa dessas nos atrasássemos, significaria que uma das atividades favoritas dele(a) que iria acontecer mais tarde, teria de ser encurtada.

“Filho(a), como nos atrasamos no início da manhã, temos de recorrer ao tempo da atividade seguinte para recuperá-lo.”
Garanto-te que ele(a) vai perceber rapidamente que tu não estás a brincar. 🙂

Experimenta.
Coloca em prática.
Se não te sentires confortável, ou sem saber o que fazer, escreve-me e pergunta que eu ajudo-te.

Se gostaste deste artigo, clica em SEGUIR e continua a receber estes fantásticos artigos!

Alimentação, Aprendizagem, Educação, Saúde

Como colocar em risco a vida do seu filho(a)?

Estamos em pleno Verão e os dias têm estado quentes e apetecíveis para se estar numa esplanada a refrescar com uma água ou gelado. Num destes dias estava sentado junto à praia quando fico perplexo com o que assisti ao pé de mim, vindo de um casal. Estava o pai, a mãe e a filha, que não teria mais do que 5/6 anos e aquilo que a mãe fazia deixou-me bastante preocupado. Continue reading “Como colocar em risco a vida do seu filho(a)?”

Aprendizagem, Educação

Os 10 maiores segredos dos pais bem-sucedidos

Costumo referir que educar os nossos filhos é um trabalho simples, de simplicidade, não há muitos segredos mas nem sempre fácil porque cada ser humano é único e a nossa interacção com ele pode gerar múltiplos resultados. Gosto da simplicidade das coisas, das estratégias e das atitudes, e para isso partilho 10 segredos dos pais bem-sucedidos que li num excelente livro – O Seu Filho não é um Hamster do Dr. Kevin Leman. Continue reading “Os 10 maiores segredos dos pais bem-sucedidos”